Warning: mysqli_real_connect(): Headers and client library minor version mismatch. Headers:50562 Library:100136 in /home/u322760888/domains/cnr.org.br/public_html/site/wp-includes/wp-db.php on line 1612

Notice: Use of undefined constant REQUEST_URI - assumed 'REQUEST_URI' in /home/u322760888/domains/cnr.org.br/public_html/site/wp-content/themes/better-mag/functions.php on line 73
Após reforma, ações trabalhistas caem 34% em 2018 - CNR

Após reforma, ações trabalhistas caem 34% em 2018

Agora, o empregado que perde a ação que move na Justiça conta a empresa precisa pagar os honorários do advogado do ex-patrão

O volume de ações que foram ajuizadas em 2018 caiu 34% em relação a 2017, segundo levantamento realizado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). O dado é importante para avaliar os efeitos da reforma trabalhista sobre a judicialização da Justiça do Trabalho, pois 2018 foi o primeiro ano completo de vigência das novas regras – as mudanças entraram em vigor em novembro de 2017.

Entre janeiro e dezembro de 2018, as varas de primeira instância receberam 1.726.009 reclamações trabalhistas, contra 2.630.522 do mesmo período do ano anterior.

Especialistas atribuem a queda no volume de ações ajuizadas à cobrança dos honorários de sucumbência introduzida pela reforma. Agora, se perde o processo, o trabalhador precisa pagar o advogado do ex-patrão. Antes, essa obrigação recaía somente nas empresas.

Para Danilo Pieri Pereira, especialista em Direito Empresarial do Trabalho e sócio do Baraldi Mélega Advogados, os honorários impediram que trabalhadores entrassem com ações infundadas. “Antes, como não custava nada, as pessoas entravam por entrar, e se ganhassem algo, era lucro.  Logo, quando há um custo, a diminuição no número de ações é natural”, afirmou.

Fonte: Veja