fbpx

Resolução n°. 389: implementação da norma é debatida na Assembleia Geral da CNR

Nesta quarta-feira (14/07), foi realizada a Assembleia Geral da Confederação Nacional de Notários e Registradores (CNR). O evento foi conduzido de forma virtual, sendo transmitido da sede da entidade. Na ocasião, foi abordada a implementação da resolução n°. 389 do CNJ e sua compatibilidade com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), além de sua aplicação nos cartórios que são empresas de caráter privado e não deveriam ser submetidas a tais preceitos. 

A resolução n°. 389

Em processo de implementação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a  resolução n°. 389 tem o propósito de exigir que as serventias extrajudiciais criem um campo denominado “transparência” em seus sites. Desta forma, é determinado que os cartórios informem, de forma obrigatória e mensal: 

  • O valor obtido com emolumentos arrecadados e outras receitas inclusive eventual remuneração percebida pelo responsável da serventia; 
  • O valor total das despesas. 

O debate 

De acordo com o Vice-presidente do Instituto Brasileiro de Direito Imobiliário (IBRADIM), Bernardo Chezzi, a resolução vai contra os direitos dos serviços notariais e registrais. “Sendo assim, viola os direitos fundamentais dos delegatários e compromete a segurança dos cartórios”, afirmou o profissional em sua apresentação durante a Assembleia.  

O profissional destaca ainda como ponto de análise vai contra a aplicabilidade da LGPD. Afinal, não há necessidade comprovada na divulgação de dados do gerenciamento administrativo financeiro das serventias, já que, as receitas e despesas privadas dessas instituições já são fiscalizadas pelos juízes locais e pelas correições ordinárias e extraordinárias. 

Para Chezzi, ainda falta entendimento por parte da população sobre a diferença entre cartórios judiciais e extrajudiciais. Sendo assim, normas como essas não deveriam ser submetidas aos cartórios, que são de caráter privado, não tendo que prestar contas da sua gestão como é imposta às empresas do poder público. 

Representatividade

Notários, Registradores e Advogados presentes explanaram ideias e sugestões de argumentos que devem ser apresentados ao CNJ. Desta forma, a CNR irá acompanhar de perto o andamento da resolução n°. 389, através do Grupo de Trabalho que participa (Resolução 179/2021 CNJ), instituído com essa finalidade, lutando pelos direitos dos cartórios extrajudiciais. 

Para acompanhar o assunto e outros projetos de interesse da classe notarial e registral acompanhe a CNR pelo Instagram e também pelo Facebook

Você deve gostar

O que há de novo
Ver mais