fbpx

Artigo: Divórcio com separação total de bens: quais os direitos das partes envolvidas – Por Suzana Poletto Maluf

A separação total de bens é um regime em que cada cônjuge mantém a propriedade exclusiva de seus bens, tanto os adquiridos antes quanto durante o casamento. No divórcio, não há divisão de patrimônio, tornando este regime simples e evitando discussões sobre partilha de bens.

O que é o divórcio com separação total de bens?

A separação total de bens é um regime onde cada uma das partes do casal mantém a sua propriedade exclusiva de bens. Isso quer dizer, o que era de cada um antes do casamento, continua sendo propriedade exclusiva. Isso acontece também para os bens adquiridos durante o casamento.

Isso significa que, ao se divorciar, cada parte terá direito apenas aos seus próprios bens, sem qualquer divisão de patrimônio.

Esse é o regime mais simples, pois como não há patrimônio, diminui a necessidade de discussões sobre a partilha de bens. Confira a seguir quais são e como funcionam os regimes de bens no Brasil.

Quais os regimes de bens no Brasil

Os regimes de bens no Brasil são uma parte essencial do direito civil e têm um papel importante na vida conjugal e patrimonial dos casais.

Existem diferentes tipos de regimes de bens, por isso é importante entender como eles funcionam e quais os direitos e deveres das partes envolvidas.

Comunhão universal de bens

O regime de comunhão universal de bens é menos comum e implica na comunhão de todos os bens, tanto os adquiridos antes quanto durante o casamento.

Nesse regime, tudo o que os cônjuges possuem é considerado como propriedade comum do casal. Por isso, em caso de separação, todos os bens são divididos igualmente entre os cônjuges.

Comunhão parcial de bens

O regime de comunhão parcial de bens é o mais comum no Brasil. Nesse regime, os bens exclusivos de antes do casamento, continuam sendo propriedade individual de cada parte. Porém, os adquiridos após o casamento serão considerados como propriedade do casal e, portanto, divididos em caso de divórcio.

Participação final nos aquestos

O regime de participação final nos aquestos não costuma ser muito comum no Brasil. Nesse tipo, cada parte envolvida mantém a propriedade individual dos bens adquiridos antes do casamento. Porém, aqueles que foram comprados durante o casamento são considerados como propriedade comum do casal.

No entanto, em caso de divórcio, a divisão dos bens é feita de forma diferente. Cada cônjuge tem direito a uma parte dos bens comuns, de acordo com sua contribuição para a formação do patrimônio durante o casamento.

Separação total de bens

O regime de separação de bens é o oposto dos regimes de comunhão. Nesse regime, cada parte mantém a propriedade individual dos bens adquiridos antes e durante o casamento. Não há comunhão de bens, e cada cônjuge é responsável por administrar e dispor de seus próprios bens.

Em caso de divórcio, cada cônjuge mantém a propriedade dos bens que adquiriu individualmente.

Uma das principais vantagens da separação total de bens é que ela protege os bens individuais de cada parte envolvida. Isso significa que, se você possui bens valiosos ou uma empresa, não precisará se preocupar em dividir esses ativos com seu ex-cônjuge.

No entanto, também significa que você não terá direito a parte dos bens do seu ex-parceiro.

Outro ponto importante a ser considerado é que, mesmo com a separação total de bens, pode haver exceções em alguns casos. Como, por exemplo, quando uma parte tem uma contribuição maior financeiramente para aquisição de um bem, é possível haver uma conversa sobre a divisão proporcional desse ativo.

Além disso, se houver um contrato pré-nupcial ou um acordo de separação de bens, esses documentos podem alterar as regras da separação total de bens.

O que acontece na separação se o casal não determinou o regime de bens

Quando o casal não determinou o tipo de regime de bens a ser adotado no momento do matrimônio, então em caso de separação, é considerada a separação parcial de bens.

Isto quer dizer, tudo que o casal conquistou durante o período de casamento, deverá ser dividido igualmente entre eles.

A separação total de bens dá direito à herança?

Na separação total de bens, a herança é dividida de acordo com as regras estabelecidas pelo Código Civil, independentemente do regime de casamento adotado.

Isso significa que, mesmo que os cônjuges mantenham seus bens separados durante o casamento, a herança será dividida entre os herdeiros legítimos, de acordo com a lei.

O cônjuge tem direito a receber pensão alimentícia na separação total de bens?

É importante ressaltar que a separação total de bens não afeta a divisão de responsabilidades financeiras, como pensão alimentícia e pensão para os filhos.

Mesmo que cada cônjuge mantenha seus próprios bens, ambos ainda têm a obrigação de contribuir financeiramente para o bem-estar dos filhos e, se necessário, para o sustento de um ex-cônjuge que não tenha condições de se sustentar.

Cada caso é único e requer uma análise detalhada para garantir que você esteja protegido e ciente de todas as questões legais envolvidas.

Fonte: Migalhas

Você deve gostar

O que há de novo
post-image
Artigo Notícia Últimas Notícias

Artigo: O tabelião já pode lavrar escritura pública declaratória ou pacto antenupcial do maior de 70 anos para afastar o regime da separação obrigatória de bens? – Por Virgínia Arrais

Introdução  O Recurso Extraordinário com Agravo (ARE) nº 1.309.642, de relatoria do Ministro Luís Roberto Barroso, com repercussão geral reconhecida (Tema 1.236), em que se discutia: (i) a constitucionalidade...
Ver mais
testeVisit Us On LinkedinVisit Us On InstagramVisit Us On FacebookVisit Us On Youtube